Palestra no Teatro Nila Gomes de Soarez: Dia Mundial do meio ambiente: o quê comemorar?

Alunos do Estágio I visitam o Fórum Clóvis Beviláqua
23/05/2011
Eu Quero Ovo é destaque no Rádio 7 Notícias. Ouça o áudio
25/05/2011

Palestra no Teatro Nila Gomes de Soarez: Dia Mundial do meio ambiente: o quê comemorar?

O evento irá ter como palestrante o Diretor de Políticas Públicas do Greenpeace no Brasil, o Advogado Sérgio Leitão. Esta palestra é uma realização do ReclicaFa7, do Centro Acadêmico Agerson Tabosa , do Brado – Agência Experimental Fa7 e do Birô Empreendedor.
Abaixo, um breve resumo dos assuntos que nortearam o evento, pois a palestra possui como principal finalidade a promoção da conscientização das pessoas acerca da crise ambiental planetária, frisando alguns pontos importantes em que o Greenpeace atua no Brasil, quais sejam:

AMAZÔNIA

Fascínio e destruição. Em 1999 o Greenpeace chegou à Amazônia para investigar a exploração ilegal de madeira. Não saiu mais. Muitas pesquisas e ameaças de morte depois, continua em campo. Aliados às comunidades locais, foram identificadas áreas sob pressão de desmatamento e denunciamos os responsáveis. O Greenpeace luta para que a produção de gado e soja, maiores vetores de devastação, parem de avançar sobre a floresta.

CLIMA E ENERGIA

Energias renováveis contra o aquecimento global. O aquecimento do planeta é uma realidade e, se nada for feito, ele trará consequências catastróficas para a biodiversidade e para o ser humano. Por isso, o Greenpeace pressiona empresas e governos a abandonarem fontes fósseis de geração de energia, como o petróleo e o carvão, e substituí-las pelas novas renováveis, como solar e eólica. Essa é uma estratégia não só para reduzir as emissões de gases-estufa, mas para consolidar um crescimento econômico baseado em tecnologias que não prejudicam o planeta.

NUCLEAR

Uma energia cara e perigosa. A geração de energia a partir de combustível nuclear representa um grande perigo para as pessoas e o ambiente. Ela demanda maior investimento público e gera mais poluentes quando comparada às energias renováveis. Ressuscitar o Programa Nuclear Brasileiro é um retrocesso.

OCEANOS

Por um mar sem fim. Dados do governo federal apontam que 80% das espécies marinhas exploradas pela atividade pesqueira encontram-se em algum nível de risco. Para evitar que esses níveis se agravem, é preciso desenvolver uma política nacional de conservação dos nossos mares que inclua a criação e implementação de Áreas Marinhas Protegidas e uma maior governança pesqueira, visando o fim da pesca ilegal e predatória.

TRANSGÊNICOS

Ruim para o produtor e para o consumidor. A introdução de transgênicos na natureza expõe nossa biodiversidade a sérios riscos, como a perda ou alteração do patrimônio genético de nossas plantas e sementes e o aumento dramático no uso de agrotóxicos. Além disso, ela torna a agricultura e os agricultores reféns de poucas empresas que detêm a tecnologia, e põe em risco a saúde de agricultores e consumidores. O Greenpeace defende um modelo de agricultura baseado na biodiversidade agrícola e que não se utilize de produtos tóxicos, por entender que só assim teremos agricultura para sempre.

Para os estudantes da Fa7 que participarem da Palestra, serão creditados em seus históricos escolares, o equivale a duas horas a título de atividades complementares.
Já para os estudantes de outras IES, serão entregues a partir do dia 06/06/11, na sede do Birô Empreendedor que fica no 1º andar da Fa7, certificados constando duas horas de atividade complementar, não há necessidade de inscrição prévia, frisando que o referido evento será gratuito.

      " Para os 50 (cinquenta) primeiros estudantes da FA7 que, mediante a entrega de 1 quilo de alimento não perecível, chegarem ao Teatro da FA7 a partir das 18h, será entregue um coletor de óleo de cozinha, conforme foto publicada, para que os alunos possam depois de recolher o óleo de cozinha utilizado em suas casas, entregar em postos de coleta da FA7, para que seja, posteriormente, encaminhados para a Associação Cearense dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Resíduos Recicláveis do Tancredo Neves.

 Contamos com a adesão dos alunos, pois tenham certeza de algo, nós podemos salvar o mundo.”