VII Encontro de Iniciação Científica FA7

Anais

DESENVOLVIMENTO DA MULHER NO MERCADO DE TABALHO

Relato de Pesquisa
Autor Principal: Milena Virginia Bispo de Lima
Área: Administração
Professor Orientador: Ana Paula Rabelo

Resumo

Milena Virginia Bispo de Lima Leontino Egidio de Queiroz Neto Victor Albuquerque de Sousa Leão Desde o início dos tempos o homem é que era o provedor do lar e a mulher era a que tomava conta da casa e dos filhos. A mulher era desvalorizada, além disso era também mal vista. Tudo mudou com a vinda da primeira e segunda guerra mundial, pois quando os homens ficavam ausente, indo para a guerra, as mulheres tiveram que assumir as responsabilidades no lar. Foi assim que a mulher começou a ganhar espaço na sociedade, tendo a oportunidade de trabalhar. Nos dias de hoje, a mulher tem muito mais espaço, muito mais oportunidade de mostrar que também consegue desenvolver bem o seu trabalho assim como os homens, o que não é nada fácil, pois mesmo com essa grande conquista, as mulheres sofrem mais com o grande estresse do trabalho, porque além de assumir essa nova responsabilidade ainda mantém a tarefa privada de cuidar da casa dos filhos e do marido, restando pouco ou nenhum tempo para os seus cuidados pessoais. Atualmente, cada vez mais aumenta a quantidade de mulheres no mercado de trabalho, ocupando até os mesmos cargos de chefia que os homens ocupam, dando a elas a oportunidade de mostrar para a sociedade o quão capaz é a mulher, tendo as vezes até um melhor desempenho que eles em muitas áreas, onde há muito tempo atrás a mulher não participava dessas atividades devido a sociedade dizer que as mulheres eram incapazes de realizar determinadas tarefas. No Brasil, existem mais mulheres do que homens. Elas vem conseguindo emprego cada vez mais com rapidez e facilidade, exercendo seu trabalho com naturalidade e eficiência, isso faz com que a mulher seja mais reconhecida no mercado de trabalho. Mesmo assim, ainda existe uma discriminação muito grande na inserção da mulher no mercado de trabalho, fazendo com que muitas mulheres ganhem menos que os homens, percam o emprego com mais facilidade, mesmo desempenhado a mesma função que eles em setores formais e informais no mercado de trabalho. Além de existir uma discriminação pela mulher exercer determinadas funções em uma empresa ainda existe o preconceito racial, dificultando mais ainda a vida de algumas mulheres na hora de arrumar um emprego. Indo mais além no preconceito, tem as limitações da mulher, muitos chefes evitam contratar mulheres, pois possuem o licença maternidade, onde se estiver grávida ela tem o direito de 180 dias de folga mais remuneração integrada, isso é visto como prejuízo de uma empresa, assim dificultando também o seu ingresso no mercado de trabalho. A emancipação da mulher no mercado de trabalho se deu no processo de eliminação de barreiras da divisão sexual. O mercado mais atuante das mulheres atualmente, são aqueles mais precários, onde há uma exploração maior, assim sendo uma precarização social, onde a mulher é mais explorada com multitarefas para ingressar no universo produtivo. Ao invés de dar a volta por cima as mulheres estão trabalhando como necessidade, então aceitam empregos de baixo nível. Com o avanço feminino no mercado de trabalho, a precarização desse universo também cresceu. Toda essa discriminação é cultural, desde os primórdios a mulher é tratada como um objeto de prazer e suporte, e com o decorrer das épocas os pais de belas moças ás prendiam em casa, escolhiam seu marido para casar e não as permitiam trabalhar. As que trabalhavam eram as escravas que faziam o serviços domésticos, desde aquele tempo até hoje em dia, a maioria das mulheres que trabalham, trabalham como domésticas ou ficam sendo dona de casa, tudo isso é fruto cultural, que com a emancipação das ultimas décadas, estão crescendo cada vez mais no mercado, mas ainda faltam um pouco de consciência para quebrar essa precariedade de trabalho, tem que buscar a igualdade e também requerer cargos altos. Palavras-chave: Administração, Gênero, Emanciapação/Precarização Referências http://www.observatoriosocial.org.br/download/emrevista5.pdf http://www.icpg.com.br/artigos/rev02-05.pdf http://www.espacoacademico.com.br/044/44cnogueira.htm