VII Encontro de Iniciação Científica FA7

Anais

EMPRESA FAMILIAR: SUCESSÃO FAMILIAR OU PROFISSIONAL

Relato de Pesquisa
Autor Principal: Rubens Victor Moura Luz Santos
Área: Administração
Professor Orientador: Marcos Aurélio Maia Silva

Resumo

Rubens Victor Moura Luz Santos Mara Layana da Silva Franco Laura Jéssica Vasconcelos de Farias O presente estudo trata da gestão das pequenas empresas familiares no que tange a sucessão familiar ou profissionalização de seus executivos e empregados. As empresas familiares surgiram no Brasil logo depois do seu descobrimento com o sistema de Companhias Hereditárias que podiam ser transferidas por herança aos herdeiros parentes ou não. Com o passar do tempo, essas sociedades comerciais familiares foram se adaptando às necessidades das pessoas próximas, iniciando empreendimentos a fim de atender os anseios na área estrutural. Dessa forma de administrar surgiu um modelo para novas empresas surgirem em novos setores, executando diversas atividades, dando início a nossa economia. Hoje empresa familiar caracteriza-se pela sucessão do poder decisório de maneira hereditária por uma ou mais famílias. (cf. Oliveira, ano 1999). Essas empresas normalmente surgem devido a visão de negócio de um empreendedor que percebeu a possibilidade de crescimento no mercado e que inicia uma pequena empresa, com poucos funcionários e pode ter o apoio dos familiares. A administração dessas empresas é diferenciada a modo que os cargos muitas vezes variam conforme a necessidade da familiar e seus interesses, entrando em conflito com a necessidade de profissionalização para o seu desenvolvimento. Muitos empreendedores, para fugirem desses conflitos internos, preferem deixar a família nos cargos administrativos, mesmo que não sejam competentes A inexperiência dos parentes contratados para elevados cargos pode provocar uma excessiva cobrança para obtenção de resultados deixando de preocupar-se com o processo administrativo que se precisa para obtenção dos resultados. O processo de sucessão é complexo e deve ser bem analisado, existem muitos conflitos no momento em que se faz por necessidade, normalmente quando o empreendedor por motivos de idade ou saúde precisa de ausentar, devido à dúvida entre colocar um profissional especializado ou um herdeiro. Assim, as empresas familiares podem ficar em desvantagem em relação às empresas não familiares que podem sofrer riscos de que os laços emocionais familiares interfiram nas decisões administrativas, em erros que não são dados as devidas punições, a facilidade que tem de misturarem o patrimônio pessoal com o da empresa, a falta de dedicação por aqueles da família por imaginarem que não serão demitidos, esses fatos que deveriam ser considerados anormais acabam sendo normais na cultura organizacional das empresas. A cada minuto que se passa o mundo dos negócios se torna mais competitivo, buscando cada vez mais lucros e os mesmo sendo mais difícil de obter, qualquer empresa que tenha pretensão de crescimento não pode mais viver em um modelo de gestão ultrapassada que concentra as decisões nos gestores familiares, é necessário uma gestor especializado que tenha visão de futuro, de negócios, que saiba o que está fazendo, como e onde investir, que estejam atentos as transformações do mundo. A saída para as empresas familiares é a sucessão familiar planejada, que o empreendedor planeja a sua sucessão de forma global e interativa, como em um planejamento estratégico, ele escolhe gestores externos ao vinculo familiar e os mesmos forem competentes, os planejamentos da empresa poderão ser feitos para dar continuidade aos negócios nem que motivos pessoais possam interromper o processo. Palavras-chave: Administração, Empresa Familiar, Sucessão Referências BORGES, Márcio Nunes. Gestão Empresarial em pequenas empresas familiares: a importância de um profissional especializado em administração. 2008. 28 f. Monografia (Graduação em Administração com Habilitação em Gestão de Sistema de Informações). Faculdade Almeida Rodrigues. Goiás.