XI Encontro de Iniciação Científica da FA7

Anais

Logística Reversa: Uma Ferramenta na Aplicação da PNRS

Relato de Pesquisa
Autor Principal: Gilberto Cavalcanti Maia Júnior
Área: Engenharia de Produção
Professor Orientador: Paulo Germano Barrozo de Albuquerque
Outros Autores:
Heloisa Dantas Silva Bruna Uiacy Cardoso Paiva

Resumo

Observando a necessidade da responsabilidade social e a adoção de métodos de reutilização de produtos, decidimos abordar a logística reversa como ferramenta fundamental, principalmente após a Política Nacional de Resíduos Sólidos ser aprovada, no processo produtivo. Isso gera uma nova cadeia de fornecimento denominada distribuição inversa. Iremos retratar o funcionamento desta técnica no interior das empresas e como o comportamento delas pode influenciar na tomada de decisão, estabelecendo confrontos ideológicos a respeito da sustentabilidade. Nosso objetivo é, utilizando a definição de logística reversa (VALLE, 2014) e suas aplicações, analisar a importância do aproveitamento de resíduos sólidos. Consideraremos a Lei Nº 12305/2010, de 02 de agosto de 2010, que institui a política nacional de resíduos sólidos, além de dados já descritos nas pesquisas de Leonard (2007). Também é objetivo desta pesquisa descrever a externalização de responsabilidades das corporações em relação ao descarte/reuso. Buscamos compreender, por meio de pesquisa bibliográfica, como desenvolver tal ideia no contexto da evolução dos sistemas produtivos (LEONARD, 2007), principalmente, a partir do conceito de produção enxuta. A produção enxuta pressupõe o aproveitamento máximo dos recursos e a logística reversa se mostra como uma forma de reaproveitar esses recursos que muitas vezes são simplesmente descartados. Para tanto a pesquisa está organizada em quatro momentos. No primeiro, iremos descrever o conceito de logística reversa e produção enxuta a partir de Valle (2014) e Leonard (2007). No segundo momento iremos apresentar a Lei Nº12305/2010, seu contexto de aprovação, seus artigos aprovados e a relação com os conceitos de logística reversa e produção enxuta. Em seguida, iniciaremos o processo de descrição de casos em que as empresas se desresponsabilizam pelo descarte ou pelo reaproveitamento de materiais por meio da terceirização dessa atividade, caracterizando um caso de externalização. A partir desses fatos, fazemos uma reflexão sobre dois aspectos: o primeiro sobre os conflitos ideológicos que surgem entre empresa e institutos de defesa do meio ambiente com relação à adesão (ou à falta dela) pelas corporações; para concluir, será apresentado um balanço sobre os aspectos positivos e negativos das consequências da implementação da Lei tanto para o meio ambiente quanto para as empresas. Este projeto foi fundamentado na experiência individual da equipe após a realização de seminários sobre "A História das Coisas". Pudemos compilar os dados obtidos, verificar a aplicação destas técnicas pelas corporações brasileiras e observar como elas se comportam diante de leis como a Política Nacional de Resíduos Sólidos e como esta deve ser praticada pela empresa através dos métodos de logística reversa. Avaliando a distribuição das empresas como eficiente ao enviar produtos para diferentes locais, notamos que nem sempre há retorno para o ciclo produção/distribuição. Assim, incorporar a logística reversa nos setores empresariais resulta em vantagens para a corporação e para o meio ambiente, sendo um fator importante para companhias que aderem às políticas ambientais.